Utilização do Método Pilates na Gestação

        Antigamente tinha-se a idéia de que quando a mulher se encontrava grávida ela precisava ficar em repouso. No entanto, atualmente houve uma transformação nessa idéia fazendo com que o sinônimo de gravidez seja saúde. Mostrando, assim, a importância do exercício físico associado a uma alimentação balanceada para proporcionar uma gravidez saudável evitando que adaptações fisiológicas impliquem de maneira negativa na saúde da mulher, promovendo uma qualidade de vida durante e depois da gravidez.

        É importante lembrar que durante esse período a mulher enfrentará alterações hormonais e emocionais implicando em alterações posturais, comprometimento articular e dores. Nesse contexto, surge um questionamento: Como o Pilates poderá ajudar a mulher durante a gravidez?

De modo geral, o Pilates é uma atividade de baixo impacto que visa o fortalecimento dos músculos centrais do corpo, restaurando as curvaturas naturais/fisiológicas da coluna, aumentado a estabilidade e mobilidade lombo pélvica. É um excelente exercício físico durante esse período, pois o Método tem a capacidade de adaptar os exercícios para a necessidade do publico alvo.
Podemos, ainda, citar alguns benefícios do Método durante a gestação:
• Conforto durante a gravidez e o parto;
• Fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico;
• Prevenção da incontinência urinaria por esforço;
• Redução do desconforto na região lombar;
• Facilitação durante o trabalho do parto normal, tanto para a mãe quanto para o bebê;
• Realização de exercícios para membros superiores;
• Diminuição dos inchaços e da flacidez muscular; e,
• Auxiliam as novas mamães a recuperar a forma física.

Os cuidados gerais que os instrutores de Pilates devem tomar com esse publico incluem: Posicionamento (evitar decúbito dorsal no último trimestre, pois essa posição pressiona a veia cava inferior levando a uma diminuição do fornecimento de nutrientes para o bebe; evitar exercícios com amplitude articular extrema, pois há um aumento na instabilidade devido a liberação do hormônio relaxina); Intensidade (ir no ritmo individual, tendo em visto que foram
colhidas informações na anamnese com informações do seu histórico, inclusive se realizava ou não exercício físico antes da gravidez); Aferição de dados vitais (fundamental para verificar pressão arterial e frequência cardíaca pré e pós-atividade); e, lembrar sempre da individualidade e do cuidado especifico de cada gestante.

Ressalto, ainda, que esses benefícios são alcançados através de atividade física frequente e orientada por um profissional qualificado. Ademais, o profissional só iniciará seu atendimento ‘‘Após” liberação do médico ginecologista/obstetra de cada paciente.

 

Referências:
– Balogh A. Pilates and pregnancy. Journal Article. 2005.8(5): 220-2,

– Lima P A. A importância do exercício físico durante o processo de gestação. Revista Brasileira de Prescrição e fisiologia do exercício. 2011; 5(26): 123-131.

– Machado C A N R. Effect of physical therapy approach based on Pilates Method in patients with low back pain during pregnancy. Fisioterapia Brasil. 2006; 7(5): 345-350.

– Mann L, Kleinpaul F J, Mota B C, Santos G S. Alterações Biomecânicas durante o período gestacional: uma revisão. Revista Motriz, Rio Claro. 2010; 16(3): 730-741.

Gravidez e a dor lombar: Como a fisioterapia pode reduzir a dor lombar e no quadril durante a gestação e após o parto?

    Especialistas estimam que entre 24% a 90% das mulheres apresentam dor lombar (lombalgia) ou na região do quadril quando estão grávidas. Muitas mulheres acham que esta dor vai embora quando o bebê nasce. No entanto, mais de um terço das mulheres ainda têm dor um ano após o parto. A fisioterapia durante e após a gravidez pode ajudar a diminuir a dor lombar e pélvica. As opções de tratamento mais comuns incluem a orientação de uma boa postura, a terapia de exercícios, terapia manual ou uma combinação destes tratamentos. Aprender novas maneiras de realizar atividades domésticas e de trabalho, bem como técnicas de relaxamento podem ajudar a aliviar a dor. Um estudo publicado na edição de julho 2014 de uma importante revista de fisioterapia, a JOSPT, analisou as melhores pesquisas dessa área para entender melhor os benefícios da fisioterapia no tratamento de mulheres com dores nas costas e quadril durante e após a gravidez.

    Os autores analisaram as pesquisas publicadas entre 1992 e 2013. Dos 1.284 artigos que encontraram, os autores escolheram os melhores 22 estudos que mediram o impacto de tratamentos de fisioterapia em mulheres grávidas. Foram excluídos artigos que trataram a dor nas costas durante a gravidez com medicação, cirurgia ou acupuntura. Eles descobriram que os exercícios podem diminuir a dor, melhorar a função, e limitar a licença médica para dor nas costas e no quadril relacionada com a gravidez.

    Exercícios eficazes, muitas vezes se concentram em fortalecer os músculos ao estabilizadores da coluna e  do assoalho pélvico. Exercícios também podem incluir hidroginástica, treinamento de força geral, exercícios de resistência e treino de equilíbrio. Finalmente, uma das pesquisas descobriu que a combinação de orientação postural, terapia manual, e alguns recursos terapêuticos podem ser úteis. No entanto, muito poucos estudos sobre esta abordagem têm sido publicados para ter certeza sobre seus benefícios.

    Seu fisioterapeuta pode ensinar-lhe os exercícios certos e explicar como alterar a maneira de executar algumas atividades para melhor reduzir a sua dor. Seu terapeuta também pode ajudar a decidir se outros tratamentos, como a terapia manual ou a utilização de aparelhos terapêuticos pode ser útil. Depois de uma avaliação completa, seu fisioterapeuta irá personalizar um programa de tratamento que vai funcionar melhor para você. Geralmente, você pode fazer os exercícios em casa. Para mais informações sobre o tratamento da lombalgia e dor no quadril durante e após a gravidez, entre em contato com seu fisioterapeuta.

           Referência: “Recommendations for Physical Therapists on the Treatment of Lumbopelvic Pain During Pregnancy: A Systematic Review,” J Orthop Sports Phys Ther 2014;44(7):464– 473. Epub 10 May 2014. doi:10.2519/jospt.2014.5098