Side Menu
Side area
side area
Moving | O Biofeedback no tratamento da insônia
2246
post-template-default,single,single-post,postid-2246,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,

Blog

   

O Biofeedback no tratamento da insônia

Em um mundo cada vez mais veloz, onde somos bombardeados por informações o tempo todo, a insônia vem se tornando um problema grave e bastante comum entre a população. Estima-se que 10-20% da população geral e 48% dos brasileiros apresentam dificuldade para dormir e cerca de 60% das pessoas não falam a respeito da dificuldade de dormir para o seu médico.

Os seres humanos dormem cerca de 30% da existência e apesar disso, conhecemos muito pouco o papel do sono nos seres vivos. Os distúrbios do sono podem acarretar diversos problemas em nosso organismo. Inicialmente pode comprometer o humor, memória, causar dores no corpo e de cabeça, afetar a concentração e atenção, influenciar no desempenho profissional e sexual e afetar o convívio familiar. Em estágios mais avançados pode ocorrer consequências mais graves como depressão, diabetes e doenças cardíacas.

As causas da insônia são diversas e, portanto o tratamento também deve ser multifocal. Uma das terapias que auxiliam no tratamento da insônia é o Biofeedback.

O Biofeedback é uma técnica em que a pessoa acessa, através de sensores e monitores, informações fisiológicas do seu organismo, como por exemplo, uma tensão muscular. O objetivo dessa técnica é aumentar a percepção sobre seus processos físicos, para que consiga exercer algum controle sobre tais, por exemplo, um relaxamento muscular e mental.

Associada a outras técnicas comportamentais, o Biofeedback, modifica os padrões patológicos que causam a insônia e regulam o ciclo sono-vigília, diminuindo o tempo de latência do sono e os despertares noturnos, proporcionando um sono restaurador e melhorando assim a qualidade de vida. Uma boa noite de sono é uma das experiências mais gratificantes, enquanto sintomas de insônia e sonolência diurna causam um considerável nível de estresse.

 

Referência: Bacelar, Andrea; Jr Pinto R. Luciano e colaboradores. Insônia: Do Diagnóstico ao Tratamento /III Consenso Brasileiro de Insônia. Associação Brasileira do Sono; São Paulo: Omnifarma; 1. Ed. 2013.

No Comment

Post A Comment